best-luxury-2024-mercado-luxo-rede-brasil-mercedes-benz-novo-eqe-300-suv-carros-aldo-rosa-eletrico-3
rede-rs-cidade-2024-brasil-inovador-rio-grande-sul-aldo-rosa-ceo-reconstrucao-doacoes-resgate-acolhimento-abrigo-municipio-enchente-randoncorp-daniel-instituto-elisabetha-randon
rede-brasil-inovador-2024-inovacao-innovation-trends-aldo-rosa-ceo-palestrante-ecossistema-startup-ia-esg-hub-cni-cna-cnc-cnt-ntc-sebrae-avenue-connection-itau-jp-morgan-blackrock

As apostas em IA que fizeram Microsoft e Nvidia ultrapassar Apple em valor de mercado podem ser uma bolha?

As apostas em IA que fizeram Microsoft e Nvidia ultrapassar Apple em valor de mercado podem ser uma bolha?

Sob a liderança de Jensen Huang, a Nvidia viu o preço das suas ações disparar

As apostas em IA que fizeram Microsoft e Nvidia ultrapassar Apple em valor de mercado podem ser uma bolha?

No mês passado, a Nvidia, fabricante de chips para softwares de inteligência artificial (IA), se tornou brevemente a empresa mais valiosa do mundo, ultrapassando a Microsoft, que por sua vez havia superado a Apple. Quando esta notícia foi dada no palco de um evento da indústria tecnológica do qual participei em Copenhague, na Dinamarca, arrancou aplausos espontâneos da plateia.
Enquanto escrevo, a Nvidia está agora de volta ao segundo lugar, depois de uma queda no preço de suas ações ter reduzido seu valor de mercado para US$ 3 trilhões, em comparação com US$ 3,4 trilhões da Microsoft.

Dois fatores catapultaram estas duas empresas americanas de tecnologia ao topo: a inteligência artificial e a habilidade de prever o que viria pela frente.

A Microsoft começou a investir na OpenAI, a criadora do popular ChatGPT, em 2019. Enquanto o chefe da Nvidia, Jensen Huang, levou a empresa a desenvolver chips para IA muitos anos antes de a inteligência artificial ​​generativa entrar em cena. Ambas as empresas fizeram uma aposta de longo prazo no atual boom da inteligência artificial ​​— e até agora, valeu a pena, uma vez que a Apple, outrora na liderança, ficou para trás.

Mas quanto tempo isso vai durar?

A London Tech Week deste ano, evento anual da cena tecnológica do Reino Unido, poderia muito bem ter sido chamada de London IA Week. As letras IA estavam estampadas em todos os estandes, e foram pronunciadas em todos os discursos. Encontrei Anne Boden, fundadora do Starling Bank, banco digital que se destaca no setor de fintech (tecnologia financeira). Ela estava muito empolgada. “Achávamos que sabíamos quem eram os vencedores e os perdedores [na área de tecnologia]”, ela me disse. “Mas com a IA, estamos jogando os dados novamente”.
Boden acredita que está observando a revolução da inteligência artificial ​​remodelar o setor de tecnologia e quer fazer parte disso.

Naquela semana, também participei do Founders Forum, encontro anual de cerca de 250 empreendedores e investidores de alto nível. Com muito dinheiro, em outras palavras. É um evento confidencial, mas não acho que vou arrumar um problema ao dizer que grande parte do bate-papo também girou em torno da inteligência artificial. Poucos dias depois, uma notícia do jornal Financial Times chamou minha atenção. “A maioria das ações consideradas vencedoras do boom da IA ​​caíram neste ano”, dizia o texto, alegando que mais da metade das ações da “cesta de vencedoras da IA” do Citigroup haviam perdido valor em 2024.

“Dado o quão alto o valor das empresas de tecnologia saltaram, passos em falso podem causar grandes oscilações nos preços das ações”, adverte Susannah Streeter, responsável pelo departamento financeiro e de mercados da empresa de investimentos Hargreaves Lansdown. “Assim como a bolha ponto.com, o entusiasmo excessivo corre o risco de se transformar em decepção.”
Em 2023, você teria sido perdoado por pensar que qualquer coisa com a sigla IA garantiria a abertura de um canal lucrativo de financiamento, com investimentos inundando todas as coisas relacionadas à inteligência artificial. Meu amigo Saurabh Dayal, baseado na Escócia, identifica projetos de IA com os quais sua empresa farmacêutica pode potencialmente colaborar.
Ele disse que logo se cansou das propostas enganosas.

“Passo muito tempo dizendo… ‘Mas isso não é IA'”, ele me conta. Parece que tanto os investidores quanto os clientes estão finalmente ficando mais conscientes em relação ao termo inteligência artificial — e, como consequência, mais exigentes. Em declaração ao Financial Times, Stuart Kaiser, do Citi, disse que embora a inteligência artificial continue a ser um grande tema no mundo das ações, “apenas dizer IA 15 vezes não vai resolver mais”. Além disso, há uma maior consciência de que os atuais produtos de inteligência artificial generativa não estão exatamente à altura do seu próprio ‘hype’. Há imprecisões, desinformação, demonstrações de viés, violações de direitos autorais e alguns conteúdos que são simplesmente estranhos.

E os primeiros dispositivos habilitados para inteligência artificial, como o  Rabbit R1 e o Humane Pin, receberam críticas negativas. “Estamos vendo o mercado em torno da inteligência artificial generativa amadurecer um pouco agora – os primeiros experimentos estabeleceram muitas expectativas altas, mas quando chegou a hora da verdade, houve muitos resultados inesperados”, diz Chris Weston, diretor digital e de informação da empresa de serviços de tecnologia Jumar. “As empresas têm muito valor associado à boa vontade — a confiança e o conforto que seus clientes sentem em relação a seus serviços. A introdução de chatbots ingovernáveis ​​é um passo grande demais para muitos neste momento.”

O analista de tecnologia Paolo Pescatore concorda que existe uma pressão para que as empresas de inteligência artificial cumpram suas promessas. “A bolha vai estourar no momento em que um dos gigantes não conseguir mostrar qualquer crescimento significativo da IA”, diz ele. Mas ele não acredita que isso vá acontecer tão cedo. “Todos continuam se acotovelando por um espaço, e todas as empresas estão baseando suas estratégias na IA”, acrescenta. “Todos os participantes do mercado estão intensificando suas atividades, aumentando os gastos e alegando sucessos iniciais.”

Há outra razão pela qual a bolha da inteligência artificial ​​pode estourar. Não tem nada a ver com a qualidade dos produtos ou com seu valor de mercado. É se o próprio planeta pode se dar ao luxo disso. Um estudo publicado no ano passado previu que o setor de inteligência artificial poderia consumir a mesma quantidade de energia de um país do tamanho da Holanda até 2027, se o crescimento continuar no ritmo atual. Entrevistei Kate Crawford, professora da Universidade do Sul da Califórnia, nos EUA, para o podcast Tech Life, da BBC, e ela me disse que a preocupação com a quantidade de energia e água necessária para abastecer a inteligência artificial tirava o sono dela.

Sasha Luccioni, da empresa de machine learning (aprendizado automático) Hugging Face, também está preocupada. “Simplesmente não há energia renovável suficiente para abastecer a IA neste momento — a maior parte dessa bolha é abastecida por petróleo e gás”, afirma. A esperança é que a tecnologia possa ser usada para identificar soluções de sustentabilidade — como, por exemplo, o segredo da fusão nuclear, mesmo processo pelo qual o Sol obtém sua energia. Mas isso ainda não aconteceu e, enquanto isso, “os sistemas de IA colocam uma enorme pressão sobre as redes energéticas que já estão sob uma forte pressão”, acrescenta Luccioni. Com tanta incerteza, poucos devem apostar contra outra dança das cadeiras entre as empresas mais valiosas do mundo. Mas, atualmente, a Apple tem um desafio pela frente para alcançar a Microsoft e a Nvidia na corrida da inteligência artificial.