CMPC conclui investimento bilionário e ganha licença para ampliar produção

CMPC conclui investimento bilionário e ganha licença para ampliar produção

Projeto, que envolve aporte de R$ 2,75 bi, permitirá à empresa incrementar a capacidade em 18%

Pouco mais de dois anos depois do início dos investimentos que chegam a R$ 2,75 bilhões na implementação do projeto BioCMPC, a indústria de celulose localizada em Guaíba recebeu nesta semana a licença de operação por parte da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) para as novas instalações que, com o funcionamento a pleno, garantirão a produção de 350 mil toneladas de celulose a mais para a CMPC Celulose Riograndense, representando uma elevação de 18% na capacidade produtiva instalada na unidade gaúcha com a redução de impactos ambientais. Esta é a última etapa do processo de licenciamentos ambientais para atividades industriais no Estado.

Até o começo deste mês, a empresa contabilizava 97% do projeto executado e, por meio de nota, não confirma se o incremento produtivo já começa a operar a partir do licenciamento ambiental. Somente no primeiro semestre deste ano, conforme a demonstração de resultados da empresa, foram aportados US$ 135 milhões – R$ 665,5 milhões na implementação do BioCMPC.
“Somos muito orgulhosos em dizer que esse é o maior projeto de sustentabilidade da história do Rio Grande do Sul. O BioCMPC contempla 31 iniciativas de melhorias no nosso processo produtivo, nove delas relacionadas à implantação de novos equipamentos de controles ambientais e repotenciamento de sistemas existentes, oito relacionadas a iniciativas de gestão ambiental propriamente dita e 14 em ações de modernização operacional”, aponta a diretora de Relações Institucionais, Comunicação e Sustentabilidade da empresa, Sharon Bicca Treiguer.

Produção mais limpa

Entre as ações implementadas nos últimos anos estão a substituição da caldeira que era movida a carvão por gás natural e a instalação de mais uma estação de monitoramento da qualidade do ar, no bairro Alegria. As iniciativas aprovadas pelo órgão ambiental estadual incluem ainda melhorias para redução de odor e ruído na produção, com a distribuição de sonômetros (equipamentos que medem os níveis sonoros) nos arredores da fábrica.

“Revisamos todo o sistema de coleta de gases, tornando-o ainda mais eficaz. Nossa unidade terá o melhor tratamento de gases do setor no País e um dos melhores do mundo”, garante a diretora.
A unidade gaúcha da CMPC, que atualmente produz em torno de 2 milhões de toneladas de celulose por ano, garante 50% da produção mundial da empresa chilena, e 90% deste produto é destinado à exportação, especialmente aos mercados asiático e europeu. Dentro da unidade de Guaíba há ainda uma fábrica de papel que, em 2022, produziu 53,8 mil toneladas de papel sulfite.
“Foram muitas ações de melhorias realizadas para a minimização dos impactos ambientais da operação do empreendimento, além de maiores instrumentos de controle, possibilitando uma ação mais rápida da empresa em caso de qualquer desvio”, destaca o presidente da Fepam, Renato Chagas.

A engenheira química e chefe do Serviço de Licenciamento e Monitoramento de Indústrias (Selmi) da Fepam, Vanessa Isabel Rodrigues, salienta ainda que, “mesmo com o aumento da capacidade produtiva, não haverá aumento da vazão do lançamento de efluentes da fábrica”. A CMPC opera um hub de economia circular em uma área de 99 hectares em Eldorado do Sul. Lá, 100% dos resíduos industriais gerados na produção de celulose – 600 mil toneladas por ano – são transformados em 13 novos produtos. “Com as medidas do BioCMPC, continuaremos sendo uma empresa zero resíduos. Hoje, já reciclamos 99,8% de tudo o que é gerado na fábrica de Guaíba. Uma referência mundial neste assunto”, aponta Sharon.

Ficha técnica:
Investimento: R$ 729,1 milhões (de um total de R$ 2,75 bilhões)
Empresa: CMPC
Área: Indústria
Cidade: Guaíba
Estágio: Concluído
Investimentos em 2022: R$ 1,7 bilhão

Eduardo Torres
*especial para o JC
https://www.jornaldocomercio.com/