best-luxury-2024-mercado-luxo-rede-brasil-mercedes-benz-novo-eqe-300-suv-carros-aldo-rosa-eletrico-3
marcas-e-lideres-2024-rede-brasilinovador-innovation-trends-aldo-rosa-ceo-palestrante-corporates-investimento-febraban-tech-ciber-seguranca-bancos
rede-rs-cidade-2024-brasil-inovador-rio-grande-sul-aldo-rosa-ceo-reconstrucao-doacoes-resgate-acolhimento-abrigo-municipio-enchente-randoncorp-daniel-instituto-elisabetha-randon
agro-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ecossistema-startups-hub-aldo-rosa-ceo-palestrante-cna-senar-agronegocio-gaff-agribusiness-festival-xp-sp

Suzano faz oferta de US$ 15 bi pela International Paper

Suzano faz oferta de US$ 15 bi pela International Paper

Suzano faz oferta de US$ 15 bi pela International Paper, diz Reuters

A Suzano fez uma oferta para comprar a International Paper por US$ 15 bilhões, praticamente o market cap da companhia brasileira de papel e celulose. A informação foi dada em primeira mão pela Reuters, citando fontes a par do assunto. Procurada, a Suzano não quis comentar.  Segundo a Reuters, a Suzano já comunicou verbalmente o conselho da International Paper sobre a oferta — de US$ 42 por ação e que seria paga 100% em cash — e deve enviar uma oferta formal nos próximos dias. Na segunda, a ação da International Paper fechou a US$ 36,92 na Bolsa de Nova York. Hoje, sobe 5,7%.  Temendo que a Suzano pague caro pelo ativo, os investidores bateram no papel. A companhia dos Feffer fechou em queda de 12,3% com a notícia, perdendo R$ 9 bi de valor de mercado, e agora vale R$ 68 bilhões na B3. Nas contas do BTG, a transação avaliaria a International Paper a um múltiplo de 7x-8x o EBITDA estimado para o ano que vem, em comparação a 5x que a própria Suzano negocia na Bolsa.

A proposta vem menos de um mês depois da International Paper concordar em comprar a britânica DS Smith por US$ 7,2 bilhões. Um dos condicionantes da transação da Suzano, no entanto, é que essa aquisição seja cancelada, segundo a Reuters. A oferta também vem em meio a uma troca de comando na Suzano. O novo CEO, João Alberto Abreu, vai assumir a posição no dia 1 de julho, substituindo Walter Schalka, que estava há mais de 10 anos no cargo.  Para a Suzano, a transação seria uma forma de crescer em embalagens num momento em que o setor de papel e celulose sofre com uma desaceleração.  Na pandemia, todo o setor foi beneficiado pela explosão do ecommerce, que demandou mais embalagens de papel para as entregas. Com a normalização das vendas online, no entanto, o crescimento da indústria de papel e celulose também perdeu ritmo, com as empresas passando a buscar M&As para continuar crescendo.

No ano passado, por exemplo, a irlandesa Smurfit Kappa aceitou uma fusão com a americana WestRock numa transação de mais de US$ 20 bilhões.  O timing da transação, no entanto, não é dos melhores para a Suzano. A companhia está prestes a entregar um dos maiores projetos de sua história, o Cerrado, que vai adicionar cerca de 25% de capacidade para sua produção de celulose.  Com isso, a expectativa do mercado era que a companhia entrasse agora num ciclo de desalavancagem. Uma compra da IP adiaria isso, já que a alavancagem pro forma da nova empresa iria para cerca de 4x EBITDA, nas contas do BTG, sem considerar as sinergias.

https://braziljournal.com